PAZ E ALEGRIA. MUITA SAÚDE E MENOS SAÚVA EM 2020

Estou contente porque realizei meu simples plano sonhado para este ano de 2019. Quando perguntada por amigos(as) no final do ano passado (2018), sobre quais seriam meus planos para o ano que viria (2019) eu respondia, enfaticamente: – Continuar respirando!!

Foi um ano difícil este para a maioria dos brasileiros e, claramente, o foi para mim também. Mas como se diz, por aí, “combati o bom combate“. Fiz o que pude. No campo político fiquei muito, mas muito triste. E perdi a paciência. Todavia, na vida pessoal em relação a minha saúde, consegui sobreviver mais um ano. Ainda não sei se luto contra o câncer ou se me defendo dele. A agressão partiu da natureza, então penso que estou me defendendo do tumor. Viver na Tumorlândia não tem graça alguma. Mas, aqui tenho de ter paciência infinita.

Neste ano, no mês de fevereiro, meus irmãos e eu, perdemos nossa mãe Cecilia. Ela já contava com 98 anos. Teve uma vida conturbada que, entretanto, não a impediu de ser alegre. Cantava sempre e ria dela própria e de todos.

Bem, caro(a) leitor(a), confesso que está um tanto quanto impossível ser feliz no Brasil. Por um lado, temos mais de 200 bilionários e, por outro lado, 13,5 milhões de pessoas na extrema pobreza, segundo dados do IBGE. Acho péssima essa desigualdade. Uma fonte inesgotável de iniqüidades. Não há justiça social entre nós, brasileiros. Precisamos batalhar muito para convencer os(as) cidadãos(ãs) a se ocupar e participar da política.

Estou escrevendo este texto sobretudo para agradecer, mais uma vez, o afeto que recebi de amigos(as) e familiares, e de muitos amigos(as) que só conheço no mundo virtual. E agradeço, também, ao carinho e atenção que recebi dos médicos(as) e enfermeiros(as), atendentes e cuidadores do Hospital ACCamargo onde faço meu tratamento. E, como sempre, mais uma vez agradeço, em especial, a minha filha Beatriz e a minha irmã Fátima, que se revezam em acompanhar-me nos momentos sempre difíceis em que estou no hospital. Um abraço apertado a cada um(a) de vocês.

E desejo a todos muita saúde, paz e alegria para o próximo ano novo. E muita força para continuar na resistência política àqueles que aspiram a um país mais justo e igualitário. Amor e afeto, sobretudo. Praticando a não-violência, se possível.

Não preciso dizer a você caro(a) leitor(a) que meu desejo para este próximo ano de 2020 é continuar respirando! Respirar para poder ler bastante, ir ao cinema, receber amigos(as), abraçar e beijar as pessoas que me rodeiam, principalmente meus lindos netos Violeta e Milton a quem amo muito.

Sempre cultivei a amizade. Prezo muito meus amigos(as). Nunca soube viver sem eles/elas. Sou um ser gregário, em que pese também goste de momentos de solidão. Eu não seria o que sou – seja lá quem eu seja! – sem a companhia dos meus diletos amigos e amigas durante a vida inteira. Muitos deles já partiram e sinto saudades sempre. Estes continuam vivendo dentro de mim. Minha mente é povoada de alegres, tristes e ricas lembranças deles(as). Quem seríamos nós todos sem amor e afeto?

Então, por tudo que disse, quero fazer uma homenagem a meus amigos (as) de sempre, reais e virtuais. E também aos que já partiram. Para isso, desejando muitas alegrias para o Ano Novo e, saindo do lugar-comum de músicas desta época, recomendo a você caro(a) leitor(a) que ouça a linda canção-choro composta por nosso músico pernambucano Capiba (1904-1997) com o nome de “Cem anos de Choro” e que, posteriormente, recebeu letra do nosso compositor carioca Hermínio Bello de Carvalho (1935) e tomou o novo nome de ” Amigo é Casa “. Escolhi o vídeo de gravação nas belas vozes de Simone e Zélia Duncan. Bastará clicar no link indicado abaixo:

 

FELIZ 2020!

Inês do Amaral Buschel, em 25 de dezembro de 2019.

LULA INOCENTE!