2018: ALEGRIA, AFETO, SAÚDE, PAZ E JUSTIÇA SÃO OS MEUS VOTOS

Neste ano de 2017, vivi momentos de muita alegria e, porque não dizer, também de sofrimento e grandes aflições. Já escrevi sobre isto neste blog e não repetirei. Todavia, quero deixar mais uma vez registrado que foi uma grande alegria vivida por mim, ter sido presenteada com a chegada de mais um neto, o Miltinho! Ele e sua irmã Violeta, enriquecem meu viver fazendo com que eu esqueça as tristezas sofridas.

Meu balanço de final de ano é positivo, porém com ressalvas. Cultivo a flor da esperança e desejo que todos nós possamos viver num mundo mais justo, mais equilibrado. Aflige-me a obscena desigualdade social e de renda que campeia no território brasileiro e no mundo. Essa é a nossa maior chaga. A aldeia global e a local vão muito mal. A injustiça social indigna-me. A crueldade com que a maioria das nossas autoridades governamentais vem tratando o povo brasileiro, é inacreditável e sem limites.

Entretanto, aos que assim como eu não se iludem com a mentira, resta-nos a resistência. Vamos de mal a pior. Estamos perdendo nossas riquezas. Temos de enfrentar a espiral do silêncio imposta pelos meios de comunicação de massa. É nesse campo que me coloco, desde os tempos da juventude. Não mudei de lado. Só envelheci. Neste ano de 2017 completei 70 (setenta) anos e fiquei muito feliz com isso!

Neste momento, quero agradecer a você, caro(a) leitor(a) que me lê e acompanha, e a todas as amigas, amigos e agregados que convivem comigo, a felicidade de caminharmos juntos. Com divergências, mas seguimos juntos. E salve o Corinthians!!

Também sou grata, como sempre, à “parentáia “. Com a saúde fragilizada e sem o apoio de minha família, não sei onde eu estaria hoje. Sem o afeto de todos vocês – em especial da minha filha Beatriz -, certamente, já não estaria por aqui. E não se trata de força de expressão não, é a mais pura realidade. O afeto é fundamental em nossas vidas.

Hoje a solidão é a minha companheira. Como muitos idosos (as), vivo só ao lado de meu cão. Todavia, não sou uma pessoa solitária pois compartilho meu viver com as pessoas a quem quero bem. Apenas ao envelhecer, passei a apreciar a solidão e o silêncio. Por vezes, parece-me até que vivo com meu cão Samba num monastério…rsrs

É verdade que ando um pouco triste, apreensiva com o futuro. A vida, afinal, não é só festa! Já há alguns dias tento escrever, porém estou dispersa. Pensar e escrever exige concentração. O tempo vai passando e logo o ano termina. Escrevo, então “estas mal traçadas linhas “, para expressar minha gratidão e desejar um Feliz Ano Novo para nós todos!

Gostaria de oferecer a você, caro(a) leitor(a), o lindo ” Poema de Natal ” , escrito no ano de 1946, por nosso amado e saudoso poeta Vinicius de Moraes (1913-1980) e cuja letra poderá ser lida no link indicado abaixo:

http://www.viniciusdemoraes.com.br/pt-br/poesia/poesias-avulsas/poema-de-natal

 

 

E, por fim, sugiro-lhe ouvir a música “Boas Festas“, de autoria do nosso compositor Assis Valente (1911-1958) nas vozes dos “Novos Baianos“, a gravação de que mais gosto, feita no início da década de 1970. É uma música brasileira muito lembrada nesta época de final de ano. Bastará clicar no link:

 

 

Reiterando, desejo a você caro (a) leitor (a), muitas felicidades no ano que se aproxima. Haveremos de conquistar alegria, saúde, afetos, paz e justiça.

Tim Tim !! E viva a vida! 

 Inês do Amaral Buschel, em 20 de dezembro de 2017

 

 

 

 

 

Anúncios