LA MÍNIMA, um grupo paulistano de circo e teatro

Há três anos, no mês de abril de 2012, a convite de minha amiga Rosa, fui assistir no Teatro do Sesi situado na Avenida Paulista nº 1313, São Paulo, SP, a uma encenação teatral intitulada “Mistero Buffo ” representada pelo grupo “La Mínima “. Eu nada sabia deles e tampouco da autoria do texto. E, estando ali, ri muito. Adorei ter sido apresentada a eles. logo-la-minima1Então, procurei saber mais sobre todos.

Descobri que esse núcleo teatral de palhaços foi criado em 1997, e é composto pela dupla de artistas paulistanos Domingos Montagner e Fernando Sampaio. E que o ator convidado nesse espetáculo e responsável pela parte musical é o palhaço Fernando Paz. Todos ótimos.

O texto “Mistero Buffo ” é de autoria do famoso e irreverente escritor-ator italiano Dario Fo – hoje com 89 anos de idade – que foi laureado com o Prêmio Nobel de Literatura em 1997. Esse jogral foi, magistralmente, traduzido para a língua portuguesa pela Prof. Dra. Neyde Veneziano, que é a diretora desse espetáculo. Para saber mais sobre o autor, clique:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Dario_Fo

mistero-buffo_la-minima_bx_carlos_gueller_piQuis a sorte que eu tivesse a oportunidade de, recentemente, rever esse jogral. Desta vez a convite de minha sobrinha Cláudia, no domingo dia 26 de julho, no Teatro no Sesc Ipiranga, situado na Rua Bom Pastor, 822, Capital. Ri tudo de novo!  E, por isso, decidi compartilhar com você caro (a) leitor (a), o pouco que aprendi sobre o texto e o grupo “La Mínima “.

Diz o folheto de apresentação: ” A obra Mistero Buffo foi escrita em sua primeira versão em 1969, continuamente representada e modificada em função da resposta do público. Na sua grafia original é considerada o símbolo textual de Dario Fo. Trata-se de um texto político, dos mais claros desde suas primeiras apresentações. São mais de 20 monólogos baseados em episódios sacros com delicado respeito e sincera emoção; Dario retorna à Idade Média, à maneira que os jograis interpretavam a Bíblia e o Evangelho, para encenar suas parábolas do comportamento do poder e de quem está submetido ao poder. Para esta montagem de Mistero Buffo, inédita no Brasil, o grupo La Mínima se une à diretora Neyde Veneziano, para adaptar estas “jogralices” aos palhaços”. São quatro os quadros selecionados para esta encenação, em linguagem circense:”A Ressurreição de Lázaro “, “O Cego e o Estropiado “, “O Louco e a Morte ” e ” O Jogo do Louco debaixo da Cruz “.

Todavia, em vez de repetir informações, convido-o(a) a visitar o site deles clicando aqui:

http://www.laminima.com.br/site/

Mistero BuffoSe você caro (a) leitor (a), desejar conhecer os textos de Dario Fo – e valerá a pena fazer isso – apresentados nesse espetáculo, poderá ler o livro lançado neste ano de 2015, pela editora SESI-SP, com o título “Dario Fo” – Mistero Buffo “, com tradução e adaptação de Neyde Veneziano e colaboração de André Carrico e Virgínia Namur, com ilustrações de Claudius Ceccon.

E se quiser conhecer as variadas atuações nas ruas da dupla de palhaços do “La Mínima “, poderá também ler o belo livro ilustrado e com diversas declarações de diretores de teatro e outros colaboradores, que foi lançado pela editora SESI-SP, no ano de 2012, intitulado “La Mínima em Cena “.

Uma curiosidade: a dupla de atores-palhaços já participou de algumas novelas da TV Globo e o filho de Fernando Sampaio, o garoto Tomás Sampaio, teve um trabalho primoroso representando o papel do órfão Serelepe na linda novela “Pedacinho de Chão “.mundonovelas_tomc3a1s-sampaio-vai-viver-o-protagonista-serelepe-em-meu-pedacinho-de-chc3a3o1

Sou de uma geração de paulistanos que riu muito com os palhaços Piolin, Arrelia e Pimentinha, Torresmo, Carequinha e tantos outros. Quando víamos a movimentação para a montagem de um circo nos terrenos baldios do bairro, era muita a ansiedade, a emoção e a alegria! E quando não tínhamos dinheiro para pagar o ingresso para o espetáculo, tentávamos ver pelas frestas da lona. Quanta diversão!

Em determinado momento do espetáculo ” Mistero Buffo “, há uma apresentação musical que me encantou pela lembrança da minha infância, e me fez rir mais ainda. Eles cantam a clássica canção caipira “Romance de uma Caveira “, composta pela dupla de músicos Alvarenga e Ranchinho em parceria com Chiquinho Salles, gravada em 1940. Para ouví-la na voz dos compositores, bastará clicar aqui:

 

 

E você gosta de palhaços, circo e teatro popular? E frequenta teatro?

 

Inês do Amaral Buschel, em 05 de agosto de 2015.

ATUALIZANDO: É com profunda tristeza que comunico o falecimento do grande ator paulista Domingos Montagner, no dia 15 de setembro de 2016, por afogamento no rio São Francisco, Sergipe.

 

Anúncios