PAULINHO DA VIOLA, PRÍNCIPE E MINISTRO DO SAMBA

Se eu fosse a Presidenta Dilma Rousseff, só para chatear a oposição no Congresso Nacional  que neste momento político quer impor a ela a diminuição do número de Ministérios, criaria mais um Ministério, o 40º. Aceitaria a sugestão feita há anos pelo compositor-cantor-sambista baiano Batatinha (Oscar da Penha,1924-1997), criaria o Ministério do Samba e nomearia como ministro dessa pasta o Sr. Paulo César Baptista de Faria, mais conhecido por Paulinho da Viola. Caro(a) leitor(a) se desejar saber sobre essa divertida história, dê um clique no link abaixo:

https://ouvirmusica.com.br/batatinha/259575/

 

O título de Príncipe do Samba, parece ter sido dedicado a ele já há alguns anos por Caetano Veloso ou João Gilberto. Mas ele recusou-se a aceitá-lo porque esse título era, por direito, do grande sambista-cantor-compositor carioca Roberto Silva (1920-2012) que ainda era vivo à época.  Mas, como  esse 1º Príncipe do Samba já partiu, agora quem faz jus ao título é de fato o cantor-compositor também carioca, o torcedor do Vasco, Paulinho da Viola. Ele é gente finíssima e merecedor da mais alta condecoração por todos aqueles que amam o samba.pviola-neilima-blog

No último dia 9 de abril de 2015, eu tive a felicidade de ser convidada por minha cunhada Bete a acompanhá-la, junto com meu irmão Júlio e outra amiga dela, até o Sesc Pinheiros/Teatro Paulo Autran para assistir ao show preparado por Paulinho. Esse espetáculo que vem percorrendo as principais capitais do país, foi feito para celebrar meio século de sua carreira artística e promover o lançamento de uma caixa denominada “Ruas que Sonhei “, contendo dez de seus discos da vida inteira.

Chegando lá, vendo-o ao vivo e ouvindo sua maravilhosa música fiquei em estado de graça! Foi mais uma noite de prazer inesquecível que a vida me proporcionou. E viva a vida!  Ouvi-lo cantar “Sinal Fechado “, por exemplo, é fascinante. Se você caro(a) leitor(a) quer saber mais sobre esse show, dê um clique no link indicado logo abaixo:

http://musica.uol.com.br/noticias/redacao/2015/04/09/paulinho-da-viola-comemora-50-anos-de-carreira-guardando-cancoes-ineditas.htm

Paulinho-da-ViolaDesde a época de minha juventude adoro ouvir a voz e a música de Paulinho da Viola. Gosto demais de samba e chorinho. Claro que também aprecio outros ritmos e outros compositores (as) e cantores(as) da MPB. Amo a música, seja clássica ou popular. Mas é o samba e o chorinho tocado e cantado por Paulinho, que moram no meu coração para sempre. Talvez seja uma questão de empatia. Não sei explicar. Ao ouvir a voz do Paulinho sinto uma sensação de alegria e já começo a cantar. Decorei as letras de muitas de suas canções.

Minha filha, a Beatriz, nasceu ouvindo Paulinho da Viola. Isso era tão natural para ela, pois em casa tanto o pai dela como eu, sua mãe, cantávamos e ouvíamos esse músico, diariamente. Um dia, quando ela já estava com seus 11 ou 12 anos de idade, chegou do colégio onde estudava e disse-me com indignação: – Mãe, lá na minha classe ninguém conhece o Paulinho da Viola! E eu lhe respondi: – Que absurdo! Coitadinho deles! Você precisa apresentá-lo para seus colegas, pois eles não sabem o que estão perdendo!

livro3É que o colégio onde ela fazia o ensino fundamental pertencia à rede privada, e era freqüentado por uma maioria de filhos da tradicional classe média paulistana. Talvez os pais dessas crianças não gostassem de samba, “…eram ruins da cabeça ou doentes do pé…”, e por isso privaram seus filhos do prazer de ouvir Paulinho da Viola. Ademais, o mercado da música é seletivo, e a indústria cultural decide o que devemos ouvir ou não.

Tem muita gente no Brasil que desdenha do samba. Há preconceito. Volta e meia, infelizmente, ficamos sabendo de constrangimentos desagradáveis provocados por gente pernóstica, que esnobam sambistas. Há pouco tempo aqui em São Paulo, aconteceu isso num clube da “hight society “. Alguns sócios ficaram “horrorizados” ao saber que a Diretoria do clube havia contratado um show de um sambista famoso. Uma falta absoluta de respeito aos nossos artistas.livro_eduardo_coutinho

Por outro lado, temos registrado em nossa história, um outro fato péssimo que ocorreu na cidade do Rio de Janeiro, por ocasião da celebração do “Réveillon “, no mês de dezembro de 1995, na praia de Copacabana. Os organizadores/Riotur pagaram o cachê de R$100 mil a cada um dos cinco artistas que participaram do show (Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, Milton Nascimento) e de R$35 mil a Paulinho da Viola. Foi o maior escândalo quando isso veio à tona.  Como bem dizia o próprio Paulinho numa canção: “sambista não tem valor nesta terra de doutor “. Eu sempre me sinto ofendida e desolada, com essas grosserias de gente que pensa ser melhor do que os outros. Bons sujeitos não são.

ElizethConheci a música de Paulinho da Viola lá pelo final dos anos 60, quando ouvi um disco (LP) maravilhoso da Elizeth Cardoso – de quem eu era fã incondicional – cujo título era “Elizete sobe o morro “. Eu e alguns amigos (as) cantávamos tanto as músicas desse LP, que decoramos as letras. Daí descobri que o lindo samba “Rosa de Ouro ” era de autoria de Paulinho da Viola/  Hermínio Bello de Carvalho/  Elton Medeiros, que se tornariam parceiros da vida inteira. E outro samba desse mesmo álbum, cujo título era “Minhas Madrugadas “, também era de autoria do Paulinho da Viola e Candeia. Ouvir esse disco era algo divino e continua sendo. Aliás, a cantora era conhecida como A Divina Elizeth (1920-1990).

Depois disso adquiri outro disco (LP) intitulado “Samba na Madrugada “, em que Paulinho da Viola e Elton Medeiros cantavam juntos músicas de autoria deles e de alguns outros compositores, tais como Cartola, Zé Keti, Casquinha, Mauro Duarte e, naturalmente, o poeta onipresente em nossa música popular, Hermínio Bello de Carvalho. Esse LP continha os sambas intitulados “14 anos ” e “Jurar com Lágrimas “, canções que já cantei milhões de vezes nos meus 68 anos bem vividos! Se você caro(a) leitor(a) quiser ouvir esse antológico samba “14 anos”, bastará clicar:

 

Como vivíamos à época em pleno regime ditatorial militar, restava a nós, os jovens daquele tempo horrível, encontrar na música um lenitivo para aqueles anos de chumbo. Desde então, dedico um amor imenso à obra de Paulinho da Viola. Acho-o o máximo como compositor, cantor, violonista e cavaquinista brasileiro. Sempre ouço seus discos. Sei que ele começou tocando violão à maneira de seu pai, o grande violonista César Faria (1919-2007) do Conjunto Época de Ouro. Depois, ouvindo outros profissionais e estudando música com afinco, Paulinho criou um estilo próprio de tocar. Entrou no mundo de grandes sambistas pelas mãos do poeta Hermínio Bello de Carvalho. Felizmente, para nós, seus fãs, só engrandeceu o cancioneiro popular.

13726-tb_180E toca chorinho também. Tem um disco/LP/CD  lindíssimo, totalmente dedicado a esse ritmo brasileiro, intitulado “Memórias 2 – Chorando“, lançado em 1976.

 

Nos idos de 1973 a TV Cultura paulista, antigo Canal 2, apresentava um ótimo programa especial dedicado ao chorinho: “Choro das sextas-feiras “, apresentado à noite. Nessa mesma época,  houve um outro programa “Ensaio ” que focalizou o “Conjunto Época de Ouro” cujo apresentador foi Paulinho da Viola. Se tiver curiosidade para assistir a essa apresentação, dê um clique aqui:

 

Paulinho da Viola nasceu no dia 12 de novembro de 1942, no bairro de Botafogo, na cidade do Rio de Janeiro. É filho livro2primogênito do casal Benedito César Ramos de Faria e da enfermeira Paula Baptista dos Santos (1918-2009). Tem um irmão chamado Francisco Xavier. Na juventude, sempre tocando seu violão, Paulinho fez o curso de Técnico de Contabilidade e trabalhava como bancário. Pretendia cursar a graduação de Economia. Mas o amor à música mudou-lhe os caminhos. Conheceu Hermínio Bello de Carvalho e, felizmente, perdemos um economista! Sorte a nossa. Ele também sempre gostou da arte da marcenaria, e esse hobby ele ainda mantém.

Eliane FariaNo ano de 1965, Paulinho namorou Alcinéia Pereira e desse relacionamento amoroso nasceu sua primeira filha, chamada Eliane Faria, que há 20 anos também é cantora. Depois, no ano de 1968 ele casou-se com Isa Dantas, com quem teve duas filhas, Iris e Julieta. Esse casamento desfez-se antes de completar 10 anos. No ano de 1978 ele casou-se novamente, desta vez com Lila Rabello, com quem vive até hoje.Beatrizfaria_tvbrasil

Eles tem quatro filhos: Beatriz, Cecilia, João e Pedro. A filha Beatriz desistiu do jornalismo, também tornou-se cantora e participa dos shows do pai. O filho João, tal qual o avô paterno César, o pai Paulinho e o saudoso tio materno Raphael Rabello (1962-1995) tornou-se um virtuose do violão. Ele também faz parte dos shows do pai.

João Rabello A poesia contida nas letras de toda a obra musical de Paulinho é primorosa, e falam direto ao coração das pessoas, com metáforas sobre o tempo, a vida, o mar e o amor, claro. Muitas são crônicas do cotidiano. Essa preciosidade nacional tem sido objeto de estudos acadêmicos, tais como se pode ver das publicações “Velhas Histórias, Memórias Futuras “, de autoria do Eduardo Granja Coutinho, EdUerj, 2002, bem como “Ensaiando a canção: Paulinho da Viola e outros escritos”, de autoria de Eliete Eça Negreiros, Ateliê Editorial/SP, 2011. Há, ainda, um livro da coleção “Perfis do Rio “escrito pelo jornalista João Máximo, que conta a história de vida de Paulinho da Viola. Esse livro foi lançado pela Prefeitura do RJ, em parceira com a Editora Relume Dumará/RJ em 2002, mas encontra-se esgotado.

É preciso dizer que no ano de 2003, foi lançado um documentário sobre a vida rotineira de Paulinho da Viola. Foi dirigido por Izabel Jaguaribe e tem a duração de 83 minutos. Intitula-se “Meu Tempo É Hoje ” e é muito bom e bonito de se ver. Se desejar assistir ao trailer dele, dê um clique no link abaixo:

 

Ave Paulinho da Viola, nós os amantes do samba te saudamos! Vida longa a você!

Eu sinto falta de uma publicação que contenha toda a sua produção musical, com letras e cifras, por exemplo. Já cansei de procurar algo assim. Se alguém souber disso, por favor, avise-me. Se você caro(a) leitor(a) desejar saber mais sobre o Paulinho da Viola, visite o site:

http://www.paulinhodaviola.com.br/portugues/index.htm

https://www.facebook.com/cantodesala

Para finalizar, recomendo dar um clique no link abaixo e ouvir a linda música de autoria dele,  intitulada “Dança da Solidão “, cujo álbum (LP) foi lançado em 1972:

 

 

E você, conhece as lindas canções de autoria de Paulinho da Viola, e a de outros autores que ele canta ?

Inês do Amaral Buschel, 26 de abril de 2015.

Anúncios